Bem Vindo ao Notícias Virtuais - 17 de Julho de 2018 - São 05:09Horas

Política

Rossato defende posse de arma, enaltece Bolsonaro e se vê no 2º turno ao governo de MT

Política MT | 11/03/2018 10h 03min

Dos poucos nomes fora do cotidiano político da Região Metropolitano de Cuiabá colocados no páreo, o pré-candidato ao governo de Mato Grosso, ex-prefeito Dilceu Rossato (PSL), de Sorriso, defende que os cidadãos brasileiros tenham acesso a armas de fogo engrossando coro ao presidenciável Jair Bolsonaro (PSL). Ele sustenta que o Poder Executivo necessita de um gestor que saiba firmar parcerias com os prefeitos e assegura que, se houver segundo turno, será um dos nomes na batalha pelo Palácio Paiaguás.
 
Dilceu Rossato entende que o cidadão de bem deve possui uma arma de fogo, sem o risco de ser preso, e cita a situação vivida por fazendeiros que estão distantes das áreas urbanas, que passam medo constante e inúmeras dificuldades. “No campo, nós não temos segurança! Sim, nós que produzimos, não podemos ter uma arma [de fogo], na fazenda, para nos defender. Ficamos desprotegidos no meio do campo, longe de tudo [da área urbana], não podemos ter arma, senão nós vamos presos”, criticou ele.
Sem rodeios, Rossato defende aplausos para quem matar um bandido.

“Os Estados Unidos nos deram um exemplo recente. Um cidadão de bem, quando mata um bandido, tem que ser aplaudido, na rua. Isso nós temos que defender e mudar a Constituição Federal. Só assim, nós vamos mudar este país ou então vamos nos tornar uma Venezuela da vida”, defendeu ele, em entrevista para o Olhar Direto.
 
Rossato foi a principal estrela do grupo de legendas que se auto-intitula como Fórum Alternativo para Mato Grosso, coordenado pelo senador José Antônio Medeiros (Podemos). O grupamento possui nove partidos, embora nem todos esteja ‘fechados’ com a proposta: Pros, Podemos, PTB, PSDC, PRP, Avante, PTC, PSD e PRB. 
 
No caso do PRB, a discussão não avançou por causa da filiação do deputado federal Adilton Sachetti, egresso do PSB, que deseja disputar o Senado. E, no caso do PSD, a participação passa pela decisão do vice-goverandor Carlos Fávaro ter garantida ou não vaga para o Senado.
 
À disposição de Mato Grosso
 
Caso haja segundo turno pela primeira vez na história de Mato Grosso, Rossato tem fé que será um dos nomes. “Eu sou uma pessoa determinada naquilo que desejo fazer. Bolsonaro é o meu candidato a presidente da República. Estou sendo lançado praticamente do zero. Se eu não acreditaria em mim, eu não iria [ser candidato]. Eu acredito muito! Vamos fazer campanha sem recursos, uma campanha de propostas”, afiançou Rossato.
   
Dilceu Rossato afirmou que colocou seu nome na disputa porque chegou a Mato Grosso como “catador de raiz” e hoje é um homem realizado. “Tinha decido não mais fazer parte da vida pública. Mas decidi dar a minha parcela de contribuição.  Creio que provei ser bom gestor tanto nas minhas empresas quanto na condição de prefeito [duas vezes em Sorriso]. Eu já tinha decidido não mais ser candidato a nada. Mato Grosso me deu muito e, hoje, eu posso dizer que sou um homem realizado”, pontuou o pré-candidato a governador pelo PSL, para o Olhar Direto.
 
“Certamente é mais  simples administrar Mato Groso do que o município. Porque os prefeitos não podem ficar abandonados, porque é lá [em cada cidade] que acontecem os problemas. A nossa proposta é que a gente faça um governo municipalista. E que os projetos sejam executados pelos prefeitos e que o Estado repasse os recursos”, emendou Rossato. 

Fonte:   Olhar Direto

Enquete

Qual o melhor nome para Presidente do Brasil?

Bolsonaro

Lula

Aécio Neves

Ciro Gomes

Marina Silva

Michel Temer