Bem Vindo ao Notícias Virtuais - 20 de Setembro de 2018 - São 22:05Horas

Geral

Objetivo é colocar fim à ação truculenta sofrida pelos profissionais da extração mineral de Novo Progresso

CONFLITO NO CAMPO | 07/05/2018 21h 40min

Mais um importante passo foi dado para colocar fim ao conflito no campo que vem acontecendo em Novo Progresso, no Pará. Nesta segunda-feira (07.05), o advogado Fernando Brandão, representante dos trabalhadores da extração mineral dessa cidade, entregou ao ministro substituto do Meio Ambiente, Edson Duarte, um requerimento solicitando agenda emergencial para debater sobre as recorrentes operações feitas pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis - Ibama e Forças Nacionais na região. 

O requerimento foi entregue hoje, durante reunião realizada no Palácio Paiaguás, em Cuiabá, que contou também com a presença do senador José Medeiros. Nele, os advogados Fernando Brandão e Vanessa Batista Gomes questionam as operações “que impedem o direito de ampla defesa, contraditório e negam a legitimidade de presunção de inocência de centenas de trabalhadores que têm sido tratados como criminosos, tendo seus bens destruídos de forma truculenta, deixando-os à deriva da sorte, sem mesmo ter aceso ao socorro, sem comida e transporte após a retirada das tropas”, diz trecho do documento.

Objetivo é fazer com que o Ibama cesse as operações da forma como vêm ocorrendo. Segundo o advogado, os cidadãos querem trabalhar de forma legal, mas para isso precisam de apoio institucional para a regularização de suas áreas, “Nas operações truculentas e arbitrárias queimaram comida, barracos, carros, destruíram famílias e sonhos. Por isso, queremos uma agenda urgente com o ministro em Novo Progresso, onde ele conhecerá de perto os anseios desse povo trabalhador”, explicou Brandão.
Medeiros disse que a pauta está sendo discutida no Congresso Nacional para mudar a legislação. “Falamos com o ministro hoje e o dr. Fernando Brandão já protocolou os documentos. Quem trabalha e tenta produzir, embora tenha cometido erro ou não, tem que ter o legítimo direito a defesa, não se pode queimar bens. Estou aqui e podem contar comigo”, garantiu o senador.

Brandão destacou o apoio do senador e defendeu a reformulação do Decreto 6514. “Tenho certeza que o senador será a voz dos proprietários e profissionais da extração mineral no Congresso Nacional, para que o decreto seja reformulado. Defendemos que ao invés de destruir, os bens sejam destinados ao uso público”, alertou o advogado. 

O ministro assegurou empenho em atender o pedido para resolver a situação. “A ação é necessária, importante e urgente até para proteger os que trabalham na legalidade, que acabam se sentindo prejudicados”, afirmou.
 

Fonte:   Da redação